13
Ago 08

Impiedosa a Má Lígua III do "Balada da Liberdade"

e continuando...

 

Não sei se é má língua
Mas neste País de carolas
O povo vive à míngua
O que lhe dão são esmolas
 
A Dívida Externa bem alta
E a crise internacional
O esforço é cá da malta
Ai Portugal! Portugal
 
Não há dinheiro para a Saúde
Muito menos para a Educação
Como querem que isto mude
Se nunca dissermos NÃO!
 
Á qualidade do Ensino
Vou dar nota negativa
Há coisas que eu não atino
Nesta política abusiva
 
E a vergonha nacional
Que foi a negociação
Do pacote laboral
Só a Cgtp disse NÃO?
 
O Governo é governado
Pelos senhores do dinheiro
Refém do interesse privado
Vai o povo para o galheiro
 
As politicas sociais
São todas fogo de vista
São efeitos colaterais
Do Governo Socialista
 
Da maternidade à pensão
Onde está o benefício?
Todos sabemos que não
É mentira, é fictício!
 
Coragem para os enfrentar
Só alguns infelizmente
Quando este povo acordar
Atenção! Saiam da frente!
Ausenda Hilário
publicado por Utopia das Palavras às 20:25

Bate-lhes forte companheira
Nestes falsos socialistas
Que permitem a robalheira
Da parte dos capitalistas

É preciso que o povo saiba
O que não diz a imformação
É isso que me causa raiv
O povo viver nesta ilusão
POESIA-NO-POPULAR a 18 de Agosto de 2008 às 11:57

Camarada Manangão

A ilusão terá um fim
A nossa esperança é aos molhos
Eu cá tenho para mim
Que o Povo abrirá os olhos

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria