18
Jun 08

 

                         (Malangatana)

 
Instinto libertário
Estilhaços de papel e tinta
Espírito revolucionário
Tornaram a poesia distinta
 
Consciências derrubadas
Por escrita de suor e paixão
Nas palavras conspiradas
Poetas da revolução
 
Diferentes pela bravura
Visionários da verdade
Sem medo nem amargura
Na prosa cantaram liberdade
 
Soberbo “Seara Vermelha”
História do latifúndio obstinado
A luta dos sertanejos espelha
Nos olhos de Jorge Amado
 
Foi ódio e foi amado
Tão bem cantado por tantos
Poeta da raiva, inconformado
Sentido das palavras, Ary dos Santos
 
Romântico num tempo alheio
De poesia fecunda e desnuda
Poeta de coração cheio
Eterno e audaz Pablo Neruda
 
Revolta pelo povo aclamada
Que Cuba evocou para si
Poetas da Sierra Maestra e Moncada
Mártires, Guillén e José Marti
 
Gratidão dos povos merecem
Pelo olhar vasto e profundo
Nas mensagens que não perecem
Poetas de todo o mundo!
Ausenda Hilário

 

publicado por Utopia das Palavras às 14:52

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria