20
Jan 11

 

                                                                               (yolanda botelho)

Havemos de rir do vento,

Havemos de entranhar nas mãos

A constância de sermos justos,

 

Havemos de cultivar o chão

Donde nascem as Primaveras

 

Havemos de sonhar à chuva

E dançar como alquimia

Na hora da insurreição,

 

Havemos de tirar dos olhos a solidão

E dar nome à utopia,

 

Havemos de rasgar querelas

E escondê-las atrás do sol

 

 

Havemos de saltar muros inquietos

E fazer filhos na outra margem

 

Havemos de nos dar aos rodos

Até que os nossos sonhos se toquem!

 

 

publicado por Utopia das Palavras às 21:54


Cá estaremos sempre

a construir pontes

para rios sonhados

Bjs
mar aravel a 25 de Janeiro de 2011 às 14:47

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria