08
Dez 10

Sempre resta

Todo o tempo dos malmequeres

 

E aquela fresta

Que no coração se abre

 

O cheiro a giesta

O sonho que na mão cabe

 

E a força que gera

Da ternura

 

O tempo faz-se

Nasce...

 

Nos pés dos malmequeres!

 

(oleo s/tela de Ricardo Paula)

publicado por Utopia das Palavras às 20:42


Ausenda,

Fiz uma viagem no tempo... e levei esta "Raiz". A poesia é o que melhor traduz o sentimento.

Saudades do cheiro a giesta...
bj
Lucy a 9 de Janeiro de 2011 às 12:50

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.


"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria