06
Jul 10

Enxugam-se os olhos e adiante

Outro amor haverá por mondar

Que me alcance o caminho distante

Nos atalhos que sei do mar

 

Atalhos, puras pedras de moer

A dor que é pó e ignorada

De mim, só o passo pode correr

Descobrindo mais atalhos dessa estrada

 

Antes que me descubra a agrura

Das sendas que esmorecem

Me levante, mesmo que escura

Seja a noite dos olhos que não adormecem!

(aguarela de joão alfaro)
publicado por Utopia das Palavras às 21:41

Maravilhoso poema da noite e do recomeço...mesmo doloroso!
BJ
Ana Tapadas a 11 de Julho de 2010 às 14:26

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria