03
Ago 09

 
Podias voar-me das mãos
Pena solta
Arrancada do meu peito
Pena tua mas meu chilreio
Que me enfeitiçou o olhar
 
Escárnio ou cegueira não te sentir
Quando flutuas no sangue
Veia incisa, inundada
Transbordante no meu corpo
 
Serás tu pena mensageira
Utopia de amor distante
Ou pena…só pena aventureira
Querendo o meu corpo como amante?
 
(imagem:rodrigo matos silva)
publicado por Utopia das Palavras às 21:46

*


flutuo


nas veias mensageiras


aventurando-me


nas realidades


que me transbordam . . .


,


conchinhas serenas, deixo,


,


*


 

poetaeusou a 5 de Agosto de 2009 às 17:28

Querida amiga
Passo só para te dizer que vi o blog cujo site encontrei deixado por ti no amigo Manu,
mas não consegui entrar nele, não consto mas não tem importância, o que eu quero mesmo dizer-te é que nas fotos verifica-se uma em que a minha filha está de costas comprando o livro ela está de azul, tem cabelo comprido e ao lado está o Manu de vermelho.


Beijinho
natalia
rosafogo a 5 de Agosto de 2009 às 23:16

"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria