25
Jul 09

Nasceu sorriso                                                                   
E voou de mim
Devaneou no luar de um lugar
Com adornos de escol e cetim
 
Atreveu-se o sorriso
Em trilho de pedras mágicas
Orvalhou um ninho de passarinho
Fez-se vento de mel
Estatelou-se de carinho
Nas fuças avaras e trágicas
 
Sorriu devagarinho, quase pranto
No salitre da tristeza
Sentindo nua a mesa
 
E quando a noite já sem razão
Vestia a fome de espanto
Sorriu de novo devagarinho
Nas bocas meninas, sem pão
 
Pudesse o sorriso mudar um rosto
Caiar todas as íris da cor Agosto
Tão singelamente podia
Ser feliz…
 
e porque...
o sol se enfeita de aurora
E soletra amor com o rio
Deixei meu sorriso agora
Correr como riacho vadio!
 
 
(imagem: fiat lux)

 

 

publicado por Utopia das Palavras às 20:46

Olá Ausenda!

Mesmo ausente não foste esquecida
os teus amigos lembraram-se de ti
sabes por quantos tu és querida
deixa voar esse sorriso... sorri

Como te disse estive presente e ouvi os discursos de alguns dos teus amigos (Eduardo Aleixo e Luísa Azevedo consegui identificar) e falei pessoalmente com a nossa amiga Rosafogo que me disse o quanto gostaria de te conhecer e dar um beijo. Estou certo de que ela própria o fará aqui.
Beijo Grande, amiga
manu a 26 de Julho de 2009 às 09:42

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria