20
Dez 08

 

Natal menino
 
Tão pequenino
 
 
Natal sem verso
 
Num dia tão breve
 
De sentido inverso
 
E as mãos vazias…
 
De sonhos perdidos
 
Reclamam os dias
 
Do fim dos desvalidos
 
Natal menino
 
No ano esquecido
 
Natal pequenino
 
De caridade crescido
 
Perpétuo Natal
 
No momento de dar
 
Tão breve o Natal
 
Do tempo de amar…!”

 

publicado por Utopia das Palavras às 21:58

M.Pereira

É isso amigo... Natal pequenino, muito breve.
Queria que esse espírito perdurasse nos homens e que se estendesse a toda a gente, por igual!

"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria