17
Dez 08

 

 (paula lucas)
 
Riscaste no pranto das flores
Pingos de culpa e sofrimento
Inventaste ecos e desamores
Incrédulos meus olhos no firmamento
 
Tocadas, as pétalas choram
Descoloram brilhos e chuvas
Minguaste ternuras que delas foram
Ímpetos de vindimas e uvas
 
E agora o meu encanto maior?
Trucidado na raiva dos teus dedos
Tingiu os meus versos de dor
Resguardo dos nossos segredos

 

publicado por Utopia das Palavras às 11:08

Quero crer que o teu encanto não é desalento... És uma pétala sorridente e brilhante que caminha ao longo da praia dos sonhos, isso sim...
Besitos moça
Ludo Rex a 17 de Dezembro de 2008 às 19:38

Ludo

Crê só um pouquinho. Já passou!

Beijo, moço

"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria