09
Dez 08

     

                    (antonio jorge miranda)

 

Mareando a vida me leva
Nas ondas de um mar sueste
Mar devir, murmurando me enleva
Num vento soprado e agreste
 
Mareando nesse mar refúgio
É meu medo o naufragar…
Prendo âncora em cada navio
Com audácia me faço ao mar
 
Lodos, lamas e sargaços
Fundas batalhas no emergir
Busco no sal os pedaços
Pequenos cristais do porvir
 
Nesse vaivém ondulante
Sonho de mar chão, para o povo
Farol chama, prenúncio de levante
Na rota de um homem novo
 
Marujas são as vontades
Lanças do marulhar
Expurgo de correntes e grades
Amargo dia, se naufragar…!
 
Mareando aporto num sonho
Breve metáfora de maré viva
Sou eu! Sou eu que ponho
As palavras no mar à deriva!
publicado por Utopia das Palavras às 14:37

Ausenda

O Mar para mim é fundamental!
Fiquei a ouvir Adriano, cantor fabuloso, pessoa que me era muito querida com quem tive o prazer de conviver, grande amigo do meu pai.
Sentava-me ao colo e chamava-me bicho de conta.

beijos
Ana Camarra a 10 de Dezembro de 2008 às 11:18

Ana

O mar é fonte de inspiração!
Também tive o prazer de o conhecer pessoalmente e guardo boas recordações dessa tertúlia.

Um beijo

"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria