26
Jun 08

 

                 (Mario Botas)

 
Hoje faço um verso triste
Para ti querida amiga
Porque a força que em ti existe
Neste Outono te fustiga
 
Terno foi quando se olharam
Nossos olhos e serena imploraste
Quando as tuas mãos me tocaram
E quieta, escutando ficaste
 
Não é fantasia a tua dor
É dor física dilacerante
Teus gestos ainda têm cor
Resiste, fica mais um instante
 
No teu peito ainda canta
A sonata que tocando silencias
É nossa a solidão que se levanta
Recordo quando no meu colo dormias
 
Fica amiga, ficas, partindo
Mesmo que estrela estilhaçada
Fundeaste em nós e mesmo indo
Permaneces sempre, para nós amada!
 
 
 
  Ausenda Hilário

 

publicado por Utopia das Palavras às 12:41

SEM COMENTARIOS!!!!!!!!!!!!!!! BATE CA DENTRO!!!!!!!!!!!!!!!!
CORAGEM MIGA PRA ESCREVER ISTO. SABEMOS PORQUÊ.
BJINHO
paulo a 29 de Junho de 2008 às 01:56

"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria
Um pouco de mim também...!
visitor stats
Luso-Poemas - Poemas de amor, cartas e pensamentos
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape