10
Jan 12

 

 (odette itah)

 

Cansam-se as manhãs

Dormentes de insónia

Desesperada dos beijos

Vagabundos

Nas noites, que sendo tuas

Foram pertença dos meus desejos

 

Tortura, intrínseca memória

Da pele impregnada

Vício do amor da alma

Agora, um breve nada

 

Memória ardente

Prenhe e desarvorada

Que por um fio se alastra

Em cidadela incendiada

 

Memórias...

são vagas da tua ausência!

publicado por Utopia das Palavras às 22:46

Gosto sempre da tua poesia. Forte. Ardente. 
Sal - moura na pele dos teus versos.
Limos castanhos e salgados na vazante.
Saudades dos beijos das vagas da enchente.
Lua pequena. Breve. 
Não tarda a maré que irrompe,
que invade as gretas, as bocas,
os poros, da tua pele já inundada 
pelo mar, letras do verbo que te sabe marear. 
Eduardo Aleixo a 12 de Abril de 2012 às 22:42

"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria
Um pouco de mim também...!
visitor stats
Luso-Poemas - Poemas de amor, cartas e pensamentos
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape