10
Jan 12

 

 (odette itah)

 

Cansam-se as manhãs

Dormentes de insónia

Desesperada dos beijos

Vagabundos

Nas noites, que sendo tuas

Foram pertença dos meus desejos

 

Tortura, intrínseca memória

Da pele impregnada

Vício do amor da alma

Agora, um breve nada

 

Memória ardente

Prenhe e desarvorada

Que por um fio se alastra

Em cidadela incendiada

 

Memórias...

são vagas da tua ausência!

publicado por Utopia das Palavras às 22:46

Sílabas de saudades com ardor nas dunas solidão. flores sóbrias como são as das arribas. e sólidas sílabas constroem o poema à beira do teu mar e do teu sol e do teu sal e do vento teu suão. poesia que bebo encantado na cova da minha mão.
Eduardo Aleixo a 1 de Março de 2012 às 11:38

"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria
Um pouco de mim também...!
visitor stats
Luso-Poemas - Poemas de amor, cartas e pensamentos
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape