08
Dez 10

Sempre resta

Todo o tempo dos malmequeres

 

E aquela fresta

Que no coração se abre

 

O cheiro a giesta

O sonho que na mão cabe

 

E a força que gera

Da ternura

 

O tempo faz-se

Nasce...

 

Nos pés dos malmequeres!

 

(oleo s/tela de Ricardo Paula)

publicado por Utopia das Palavras às 20:42

A sabedoria dos poetas: o tempo está na natureza, é preciso entendê-lo!
Muito belo:)))
justine a 14 de Dezembro de 2010 às 15:31

"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria
Um pouco de mim também...!
visitor stats
Luso-Poemas - Poemas de amor, cartas e pensamentos
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape