12
Ago 10

Tudo o que chorasse um dia

Por um fio de saudade morresse

No meu seio sobreviveria

A âncora que me prendesse

 

Cada grito que silenciasse

Noutra boca se acendia

O cravo que se tornasse

Num cantar de cotovia

 

O abraço que me escorasse

Eternamente o seria

Se a vida não olvidasse

Que num abraço, outro havia

 

Mesmo que sem asas, pairasse

O sentir de uma poesia

Era como se me libertasse

De tudo o que chorasse um dia!

 

(tela de Margusta Loureiro)

publicado por Utopia das Palavras às 22:32


Olá Ausenda,

Também gostava de ter umas asas...azuis que me libertassem do choro dos anos da saudade!

O poema é lindo!

Sabes, gosto muito de pintar ( óleo) mas fico deslumbrada com as fotos de telas que colocas no blog a ilustrar os teus poemas!

beijo
Breizh da Viken a 21 de Agosto de 2010 às 14:53


Ola Breizh

Obrigada pelas tuas palavras!
Onde posso conhecer os teus óleos? Gosto efectivamente de ilustrar os meus poemas com telas principalmente de pintores portugueses e teria um gosto enorme se pudesse ilustrar algum com um óleo teu. Diz-me!

Beijo  

"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria
Um pouco de mim também...!
visitor stats
Luso-Poemas - Poemas de amor, cartas e pensamentos
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape