22
Abr 10

 

Eram bocas caladas

Ou um fuzil

Mãos exploradas

Um pedaço de pão, ou um covil

 

Eram sombras de escuta

Tortura e perseguição

Mas fomos anos de luta

Vermelho ou anil

Fomos revolução

Fomos…seremos Abril!

publicado por Utopia das Palavras às 21:24

Olá Ausenda,

Feliz dia este, que nos traz o sentido autentico da vida!
Já há muito tempo que não cantava o "Grandola" como cantei ontem à noite, ao participar na comemoração da madrugada do Dia Glorioso, aqui no Seixal.
A emoção ganhou foros de "caminho" e a voz saiu-me ainda mais forte, quando ao meu lado vi/senti outras vozes a unir à minha a sua força e o seu querer.
Nem todos somos aço da mesma têmpera, mas somos todos Filhos da Liberdade!
E isso é bom, muito bom!

Parabéns pelo poema!
Viva a Liberdade, Viva o 25 de Abril!
Sempre!

PC
Paulo César a 25 de Abril de 2010 às 17:01

"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria
Um pouco de mim também...!
visitor stats
Luso-Poemas - Poemas de amor, cartas e pensamentos
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape