28
Mar 10

 

 

Ouso fazer das nascentes

 as margens do teu ombro

berço embevecido no alento

do sol e de sal chorado,

ponte de um rio lavado,

jamais um escombro,

o meu sustento...

 

Ocaso é respirar por instinto

e tu, colina de coragem destemida

onde só o vento

é o labirinto

dos urros que sorvo da vida

 

Ombro aonde remanso

o medo de um gesto,

ou de um adeus

Lírio laço, quando me lanço

no manso caule

dos ramos teus

 

São as tuas raizes urdidas

Na minha utopia anciã

e nas horas sobrevividas

desmancho no teu ombro a manhã!

 

(imagem: Lou Poulit)

 

publicado por Utopia das Palavras às 16:35

Este poema é maravilhoso. Os últimos dois versos: sublimes!
bjs
Ana a 28 de Março de 2010 às 17:45

Valeu a pena esperar por ti todo este tempo para ler um dos poemas mais belos que por aqui passou...

Beijos...
maria a 28 de Março de 2010 às 19:53

Lindo!!!!!
Ibel a 28 de Março de 2010 às 22:06


Sei que não responde,
sei que raramente lê meus versos,
mas reconheço o seu valor de poeta.

Nada do que digo acima,
me faz esquecer
sua forma de dizer.

"As Margens Do Teu Ombro"

é de uma beleza incontestável,
quase impossível de dizer,
mas diz!

"São as tuas raízes urdidas
 Na minha utopia anciã
 e nas horas sobrevividas
 desmancho no teu ombro a manhã!"

Não parece ser possível dizer tudo isto e caminhar como se não o tivesse dito...

"Lírio laço, quando me lanço
 no manso caule
 dos ramos teus"

Um assombro que nos leva a outro Tempo, outra Dimensão...

Que mais posso dizer? Que amo sua música e a conheço muito e muito bem?Que meditei
com esta música? Isto interessa a alguém? Não interessa, eu sei!

A congratulo e nada mais lhe sei dizer...

Maria Luísa
M.Luísa Adães a 29 de Março de 2010 às 11:39


 Ouso renascer no teu ombro

 de madrugada

Belo texto

 Bj


 
mar aravel a 29 de Março de 2010 às 18:37

Aqui mora, permanece e nunca morrerá a poesia!
Beijinhos Poetisa
Ricardo
Ricardo Reis a 29 de Março de 2010 às 22:29

tão bonito!
e é tão bom ter um ombro onde o rosto possa encostar.


um beijo
luísa
pin gente a 30 de Março de 2010 às 12:50

Eu também resolvi passar aqui para sentir a tua utopia poética que gosto muito! Beijo
tossan a 31 de Março de 2010 às 01:37

Mas é um poema lindííssimo, bordado de lírios e de laços, que me vai obrigar a voltar  para o reler, embevecido, e nele mergfulhar, mas...com cuidado...  Abraço mouro.
Eduardo Aleixo a 5 de Abril de 2010 às 19:02


no remanso de um belíssimo poema
apenas

( para não destoar )



.
um beijo
gabriela rocha martins a 9 de Abril de 2010 às 15:07

"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria
Um pouco de mim também...!
visitor stats
Luso-Poemas - Poemas de amor, cartas e pensamentos
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape