19
Set 09

 

 

Tantas vezes

insana

Intensa da raiva e da paixão

Quantas vezes

profana

Do verbo  na perfeição

 

Da palavra…

seguramente amante

Acorrentada me presumo,

Tua…

sou tanto instante,

Imutável

nosso perpétuo rumo

 

Uivo selvagem

ou doce ternura,

Perdidamente tua…

Leoa mansa ou loucura!

 

(imagem: picasso)

publicado por Utopia das Palavras às 23:39

ousas tu ser perfeita
imperfeita tu te sentes
eterna amante da palavra
que à janela te espreita

anseia contigo ficar a sós
no papel onde se revê
tu que és a sua voz
que mais ninguém a vê...

adorei o poema
um abraço
Luis

 
jangadadecanela a 23 de Setembro de 2009 às 15:09

"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria
Um pouco de mim também...!
visitor stats
Luso-Poemas - Poemas de amor, cartas e pensamentos
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape