30
Ago 09

 
 
Escusa nostalgia
Se hiato não fosse o tempo
Que te faço
 
Genuínas reminiscências
do sabor do vinho
E da broa mondada
No milho
 
Melodia das gentes
Tingidas de sorrisos e sol
Partilhando suores
No vigor do trabalho
 
Ai a saudade
Quase morta
Pelos dedos que contam
Os dias de anseio
Do teu abraço
 
E esta vontade
De quase Outono
Quando o azul que o rio empresta
Faz-me lavada de esperança
Nesse extenso abraço
Enorme lugar de festa!
 
(Só o tempo de um abraço...regresso breve)

 

publicado por Utopia das Palavras às 22:05

Olá Ausenda!
Que abraço tão sentido nos dás
após uma ausência, eternidade
apenas breve? Isso não se faz
acudam Deuses! Oh calamidade

Essas saudades...
Beijo Grande
manu a 31 de Agosto de 2009 às 00:46

"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria
Um pouco de mim também...!
visitor stats
Luso-Poemas - Poemas de amor, cartas e pensamentos
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape