09
Mai 09

 

 
 
Deixem-me amar o mar
Comer as algas, expurgar a lama
Deixem que o mar me ame
E me aclame sobrevivente
 
Deixem que a pele se queime
Na lonjura do sol e da saudade
Renascendo asa de coral
E o meu abrigo
 
Deixem que a boca cuspa
Lodos de preconceito
E que o meu leito
Seja terra espargida de causa
 
Deixem que as mãos naufraguem
No rosto de luz das marés
Abram de espuma as estrelas
E deixem chorar o mar
 
Deixem que nada ou as ondas
Se alastrem no meu peito
E que o meu corpo…
Seja sempre esse mar salgado!
 
(imagem:internet)

 

publicado por Utopia das Palavras às 18:55

'Deixem que a boca cuspa
Lodos de preconceito
E que o meu leito
Seja terra espargida de causa'
Vou-te dizer uma coisa: oq ue gosto em ti é que és de uma sensibilidade e senusalidade absolutamente femininas, ternas e sabedoras e, outras vezes, és brutal nas palavras.
Gosto muito disso. Qdº cá venho, cada poema é uma surpresa. De força e sensibilidade. De pureza e dureza. Olha, gosto imenso, PONTUS!
Beijinhos e óptimos fim de semana
Lúcia a 9 de Maio de 2009 às 21:58

Lucia

Eu nos teus olhos sou assim...agradeço-te por isso! É gratificante ouvir palavras bonitas como as tuas!

Beijos

Deixem que eu leia sempre
Da Ausenda a Poesia...
Porque com ela me inspiro
E da-me muita alegria!

Lindo!

Bjinhos

Céci


Céci a 9 de Maio de 2009 às 22:17

Céci

Esta menina é uma querida
E com muita sabedoria
Pra ti tudo bom na vida
Continua escrevendo poesia!

Beijinho

Gosto da tua maneira de dizeres as coisas...



Beijitos
Oris a 9 de Maio de 2009 às 22:51

Oriz

E eu gosto da maneira como fotografas!

Beijinho

Ai, minha amiga, que águas fabulosas aqui encontro. Sempre. Os teus poemas são rios que desaguam no meu mar... e eu fico a pensar... "Deixem que a boca cuspa/Lodos de preconceito/E que o meu leito/Seja terra espargida de causa"... e ouço-o a marulhar... por causas, por emoções, por crenças, por amores...

Vou-me... no espectáculo deste mar...

Beijo terno.
Paola a 9 de Maio de 2009 às 22:53

Paola

O mar...é uma estrada de afectos, caminhar sobre as suas águas, dá-nos a força necessária para o amor...para levantar as nossas bandeiras!

Beijinho de mar(é)

O rio! Tu sabes que a estrada dos [meus] afectos é um rio.... que já desaguou no mar e se vestiu de luto. O azul que ainda tem, sou eu que lho pinto...

Beijo azul
Paola a 11 de Maio de 2009 às 21:42

Mar de marés, sonhos contidos
Mar que é teu corpo de mulher
Onde os desvelos não estão esquecidos
Onde teces o grito duma dor qualquer.

Deixem que o Sol entre na tua vida
Deixem que um canto novo em ti floresça
Deixem. que a força em ti contida
Seja sempre maior, a cada dia cresça.

Soubera eu dizer-te o que sinto ao ler a tua poesia e como dizer-te que é sublime?!

Um beijinho grande
Boa semana





rosafogo a 10 de Maio de 2009 às 00:32

RosaFogo

Soubera o mar sentir-me
Como o meu corpo o sente
Era onda a evadir-me
no seu beijo, docemente!

Não tenho mais palavras para te agradecer o que nos teus versos falas, por isso, amiga, retribuo com esta simples quadra!

A tua ternura não tem fim.....

Beijo

Agradeço o facto de me teres adicionado como amiga.
Já tenho visitado o blog, o qual contém poemas extraordinários, sendo este o paradigma do que acabo de afirmar. Parabéns pela bela poesia!
Desejo um óptimo fim de semana,
Carlos Alberto
umbreveolhar a 10 de Maio de 2009 às 01:22

Carlos Alberto

Eu é que agradeço ter tido oportunidade de conhecer o teu blog, fui pela mão da Rosa Fogo.
Gostei dos temas que tratas em prosa e essencialmente apreciei a tua poesia! Tenho que voltar para uma leitura mais apurada!

Um abraço

Deixem-me ler a poesia
da utopia das palavras
e esquecer no dia a dia
aquelas horas amargas

o resto dum bom fds

um beijinho
José a 10 de Maio de 2009 às 11:57

Deixem que as palavras, as tuas, o vento as semeie pelos quaro cantos do mundo!!!!!!!
Ibel a 10 de Maio de 2009 às 16:54

Horas amargas que ditamos
Nos versos às vezes suados
Na utopia que acreditamos
Em dias por nós inventados!

Obrigada pela tua quadra!

Beijo

"Deixem que a pele se queime
Na lonjura do sol e da saudade"


Maravilhoso!!!!!
IBEL a 10 de Maio de 2009 às 16:55

Ibel

Obrigada!
É na pele que nasce e se renova a vida!

E tu sabes dizê-lo!

Beijo

"Deixem que a boca cuspa
Lodos de preconceito"

Menina dos mais belos poemas, te daria o 1º prémio, se de um concurso se tratasse.
Um poeta fala com a alma, cospe tudo o que lhe enche o coração, tal como o mar... em maré cheia.

Os teus poemas são realmente espantosos!
Fico sem palavras... perante palavras como as que acabo de ler.

E neste mar de encantos e desencantos, tudo é 'leito de terra espargida de causa', como dizes.

Um beijo,
Lucy
Lucy a 10 de Maio de 2009 às 22:47

Lucy

As causas habitam dentro de um corpo aberto e só com alma de poeta ou não, mas com alma, se pode espargir a nossa convicção, como o mar bravio... convicto na sua revolta!

Obrigada!

Beijinho

Atribuís-me um quinhão de imortalidade pelo belo que me vês nas palavras, mas quão pouco é ele perante o oceano que trazes em ti e onde parece que lhe vejo habitar o espírito de Sophia...
Anónimo a 10 de Maio de 2009 às 23:58

Leal Maria

Vejo sim, já o afirmei!

Mas Sophia? Não.. ela é grandiosa!

Um beijo


E porque não seres grande como Sofhia?? As tuas palavras não decifram os dialectos da alma? Em quantos versos precisa agora uma poetiza, sublimar as oceânicas águas para que lhe possa ouvir o marulhar? Sim, Sophia é grandiosa... mas as tuas palavras cobrem-na no leito da sua memória, perpetuando-lhe a ideia do belo...
leal maria a 15 de Maio de 2009 às 11:04

"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria
Um pouco de mim também...!
visitor stats
Luso-Poemas - Poemas de amor, cartas e pensamentos
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape