17
Dez 08

 

 (paula lucas)
 
Riscaste no pranto das flores
Pingos de culpa e sofrimento
Inventaste ecos e desamores
Incrédulos meus olhos no firmamento
 
Tocadas, as pétalas choram
Descoloram brilhos e chuvas
Minguaste ternuras que delas foram
Ímpetos de vindimas e uvas
 
E agora o meu encanto maior?
Trucidado na raiva dos teus dedos
Tingiu os meus versos de dor
Resguardo dos nossos segredos

 

publicado por Utopia das Palavras às 11:08

Poema com lágrimas,forte no sentimento de desencanto
Um beijo
Manuel Pereira a 17 de Dezembro de 2008 às 13:54

M.Pereira

Poema de desencanto... quem não tem?

Beijo

Se o sonho menos conseguido
Tiver o condão de despertar
As causas de um amor ferido
Para novamente o embalar
Que sejam as flores o encanto
De nova ternura renascida
Que dos versos de dor e de pranto
Floresça um novo amor p,rá vida.

Bjo grande poetisa
POESIA-NO-POPULAR a 17 de Dezembro de 2008 às 15:01

Manangão

Lindo demais o que escreveste poeta.
Adorei! Adorei! Obrigada

Beijo, amigo

Ai Ausenda - ler isto hoje! Mais não digo.

Beijinhos
Lúcia a 17 de Dezembro de 2008 às 16:54

Lucia

Eu sei amiga! Não digas nada mesmo.

Im beijo

Quero crer que o teu encanto não é desalento... És uma pétala sorridente e brilhante que caminha ao longo da praia dos sonhos, isso sim...
Besitos moça
Ludo Rex a 17 de Dezembro de 2008 às 19:38

Ludo

Crê só um pouquinho. Já passou!

Beijo, moço

Ai! Nao quero esse olhar incrédulo!
Volta para cima sff. Ninguém tem o direito de te deixar triste.

xi...
Anónimo a 17 de Dezembro de 2008 às 22:00

Anónimo Paulo

Já voltei amigo.

beijos

Eu tenho a ideia que o poeta quando está triste ainda escreve melhor, notei uma certa tristeza neste poema, mas adorei!

Bjinho e muitos sorrisos ((*_*)))

Céci
Liar a 18 de Dezembro de 2008 às 10:48

Céci

às vezes as palavras têm vida, não é?
Obrigada

Beijos

Lindo.
mas de que servem os segredos se os não pudermos partilhar. prefiro segredos nossos a segredos meus :-D

Beijosssssssssssssssssssssss
AnaMar a 18 de Dezembro de 2008 às 18:18

Ana Mar

Concordo amiga! Os nossos segredos quando não partilhados consomem-nos.

Um beijo

*
palavras de encanto
sem utopias
como os dias
em que ao mar, eu canto
,
cantadas maresias , deixo,
,
*
poetaeusou a 18 de Dezembro de 2008 às 21:12

Poetaeusou

E quando o poeta
canta
a utopia
mergulha no mar.

beijo

Esta vida é um jardim
são múltiplas as flores
com cheiros a jasmim
e perpétuos amores

Beijo
manu a 18 de Dezembro de 2008 às 21:30

Manu

Jardim que renasce
Nos dias de bonança
A vida rega-se e faz-se
da força e da esperança

beijo


Quero acreditar, amiga, que seja fingimemto poético...

Os teus versos continuam tingidos com todas as cores. Lindo!

Beijinhos
Paola a 19 de Dezembro de 2008 às 16:12

Paola

Tingidos às vezes de cores mais sobrias! Nos dias mais cinzentos!

Beijo, amiga

"Balada da Liberdade" livro de Miguel Beirão, prefácio de minha autoria e capa de Dorabela Graça
Partilha em co-autoria
Um pouco de mim também...!
visitor stats
Luso-Poemas - Poemas de amor, cartas e pensamentos
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape